É um vendedor? Então participe do nosso Grupo no facebook ➤

Grupo de vendas MultiMidia E-Commerce

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Dona do Frango Assado, Pizza Hut e KFC vai abrir 415 lojas no Brasil

MultiMidia Info

A fusão com a MultiQSR, detentora dos diretos de master-franquia da Pizza Hut e KFC no Brasil, acelerou os planos de expansão da holding International Meal Company (IMC) – dona das redes Frango Assado e Viena.

KFC: com o plano de expansão, a marca deve aterrissar também nos Estados do Rio de Janeiro e Paraná (SOPA Images / Colaborador/Getty Images)

A empresa pretende investir R$ 450 milhões em cinco anos, abrir 415 lojas e gerar 9 mil empregos no País. Os números, no entanto, não incluem investimentos em unidades do Frango Assado, que deverão ser construídas no conceito “conveniência”, dentro de contêineres, a partir de 2020.

A conclusão da fusão com a empresa de Carlos Wizard Martins ocorreu no fim de outubro, com a aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Os planos de expansão já vinham sendo desenhados desde o anúncio da fusão, em julho, mas agora podem ser efetivados, diz o presidente da IMC, Newton Maia Alves. Segundo ele, o negócio resulta num grupo com receita de R$ 1,8 bilhão e quase 500 lojas, entre próprias e franqueadas.

As primeiras iniciativas do pós-fusão devem ser conhecidas pelos consumidores até o fim do próximo mês. Das 25 lojas do Frango Assado, 10 terão uma Pizza Hut dentro do restaurante.

O objetivo é adotar a mesma estratégia em todas as unidades, diz Alves. Outra decisão é converter pontos do restaurante Viena que não estão tendo bom desempenho em Pizza Hut ou KFC – ou os dois juntos, dependendo do tamanho da área. Cerca de 20 lojas das 43 existentes passarão pela transformação nos próximos meses.

O presidente da IMC explica que o objetivo é abrir 4 ou 5 lojas do Frango Assado por ano nos próximos cinco anos. Atualmente a empresa tem 24 unidades em São Paulo e uma em Minas Gerais. Com o plano de expansão, a marca deve aterrissar também nos Estados do Rio de Janeiro e Paraná.

“Nossa ideia é negociar áreas que já têm uma estrutura física, como uma churrascaria tradicional, e transformar em Frango Assado”, diz Alves. Ele destaca que só em São Paulo foram mapeados 1.041 postos de estradas, sendo que 300 entraram na categoria considerada “ótima” para a estratégia da rede.

No caso do Pizza Hut e KFC, a expectativa é abrir 400 lojas em cinco anos, sendo 200 de cada marca. Metade será subfranqueada. Nesse caso, a expansão deve ocorrer em todos os Estados do País, proporcionalmente ao crescimento econômico de cada região. “Esses números demonstram que acreditamos na economia, nos fundamentos do Paulo Guedes (ministro da Economia) e na redução dos juros, que vai fomentar os investimentos no País”, diz Carlos Wizard, que ficou com 13% de participação na IMC.

A experiência do empresário com a expansão de negócios por meio de franquias deve ser bastante explorada no grupo. Uma das novidades que devem seguir esse caminho é a ideia de abrir Frango Assado no formato “conveniência”, em contêineres. As pequenas lojas poderiam ter só um funcionário por turno e não precisam ficar muito distantes uma da outra. Nas lojas maiores, a frequência nas estradas está entre 30 e 40 quilômetros. “Com essas pequenas unidades, a distância poderia ser menor, o que nos faz sonhar com umas 100 lojas só em São Paulo”, diz Maia.

O modelo, no entanto, ainda está sendo arredondado para redução de custos. “De qualquer maneira, pensamos em ter as primeiras unidades no segundo semestre de 2020. Primeiro começaríamos com lojas próprias e depois com franquias, uma especialidade da família Martins”, diz Alves.
Sinergias

Segundo o executivo, as sinergias possíveis com a fusão das duas empresas são enormes. A IMC compra, por exemplo, 1,1 mil toneladas de frango por ano e a MultiQSR, 2,5 mil; a quantidade de farinha é igual nas duas empresas; e as compras em cartão de crédito, R$ 600 milhões e R$ 400 milhões, respectivamente. Os números, segundo Alves, dão uma boa margem para negociação com os fornecedores.

Outro ponto importante é a cozinha central em construção em Louveira, no interior de São Paulo. Quando estiver pronta, as cozinhas do Viena, por exemplo, serão fechadas. “Hoje são produzidas 233 toneladas por mês de alimentos com 235 funcionários. Com a nova cozinha, serão produzidos 525 toneladas em um turno com 78 funcionários”, diz o presidente do IMC. A mudança deve gerar economia de R$ 20 milhões por ano.

O famoso pão de semolina, vendido no Frango Assado, também será produzido em Louveira e enviado ultracongelado para as lojas. A medida deve economizar R$ 3 milhões apenas com padeiros, que hoje são 96 no total. “Nos últimos anos, fast- food de alimentação fora de casa cresceu 10% ao ano. Não é muita coisa que cresce nesse ritmo no Brasil.”

Fonte: Exame

terça-feira, 19 de novembro de 2019

Nubank testa taxa de saque da Nuconta mais barata para alguns usuários

MultiMidia Info
O roxinho da Nubank se tornou o cartão de crédito cobiçado por muitos por oferecer um total de zero anuidade aos consumidores. Além disso, a possibilidade de se conseguir bons descontos adiantando parcelas e as opções de bloqueio temporário e cartão virtual são adicionais interessantes.


O roxinho da Nubank se tornou o cartão de crédito cobiçado por muitos por oferecer um total de zero anuidade aos consumidores. Além disso, a possibilidade de se conseguir bons descontos adiantando parcelas e as opções de bloqueio temporário e cartão virtual são adicionais interessantes.

Quando a fintech anunciou a sua conta digital a expectativa era grande, porém quando a função de saque chegou, acabou frustrando alguns pela sua cobrança um tanto alta: R$ 6,50.

Imagine que mesmo um saque por semana poderia significar R$ 26 a menos no final do mês. Claro, há a possibilidade de se fazer um TED gratuito para a sua conta em outro banco e então realizar o saque, mas isso é pouco prático.

A boa notícia é que, de surpresa, a fintech começou a semana reduzindo essa taxa para alguns consumidores: eles estão sendo avisados no app e por e-mail que temporariamente farão jus a um valor R$ 2,50 menor nos saques, ou seja, apenas R$ 4.


Não se sabe como a Nubank escolheu esses consumidores, mas a ideia é estudar o impacto que a redução da taxa pode significar em termos de uso da função de retirada de dinheiro. A empresa avisará aos usuários quando os testes forem encerrados para que não tomem susto quando a cobrança de R$ 6,50 voltar a valer.

Claro, a fintech não faz isso a troco de nada: estudar se a redução da tarifa impactará em um aumento de saques poderá conduzi-la a uma decisão de absorver parcialmente as taxas de uso da rede 24 Horas, principalmente em um mercado dominado por bancos digitais que isentam o consumidor dessa cobrança, ficando com todo o ônus financeiro nesse sentido.

A rede 24 Horas é operada pela Tecban, que recebe um percentual por providenciar os pontos de saque e a eventual manutenção desses terminais. Além disso, as fintechs usam ainda um intermediador (gateway) para tirarem das carteiras digitais dinheiro a ser entregue ao usuário. No país o operador mais comum é o Cirrus da Mastercard, e claro, a ferramenta também tem os seus custos para o banco.

A Tecban, porém, vem estudando um sistema a fim de retirar os gateways da equação. Então, quando isso for implementado, mesmo que os planos da Nubank acabem frustrados com os resultados do atual teste, pode ser que as tarifas sofram um decréscimo no futuro.

E você, tem uma Nuconta? O que acha da tarifa atual de saque? Já foi beneficiado com o atual teste de um valor mais baixo para as retiradas? Conte para a gente nos comentários!

Fonte: Tudo celular

sábado, 16 de novembro de 2019

Nubank vai reemitir milhares de cartões

MultiMidia Info

O Nubank vai reemitir cartões de 3 mil clientes, como medida preventiva de segurança. O banco digital descobriu que esses usuários inseriram informações de pagamento em sites arriscados. O Nubank explica que analisou diversas transações em estabelecimentos com histórico de problemas e observou que alguns clientes podem ter colocado suas informações do cartão nessas lojas online.

Todos os clientes envolvidos serão comunicados por e-mail e os novos cartões serão enviados para os endereços cadastrados no Nubank. Assim que o novo cartão for ativado, o antigo será cancelado. No caso dos clientes que têm cartões virtuais, é preciso gerar um novo pelo próprio aplicativo.

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Novo Atacadão e Ferreira Costa reforçam reação do varejo no Nordeste com investimentos de R$ 600 milhões

MultiMidia Info

Rede de atacarejo mineira – braço nordestino dos grupos SFA e Super Cidades - inicia operação com a primeira loja em Pernambuco, enquanto player de home center entra no mercado paraibano, com unidade em João Pessoa
Foto: Rhudá Jardim/Divulgação

Embora o mercado ainda esteja bastante desaquecido, os players do comércio que incluíram o Nordeste no planejamento estratégico e os que já estão na região reagem, com investimentos, à estagnação econômica. O objetivo é se preparar para o pós-crise. Um excelente exemplo é a estreia da rede de atacarejo Novo Atacadão, braço nordestino dos grupos mineiros SFA e Super Cidades. A marca, lançada em abril passado, inaugurou nesta quinta-feira (26/9) a primeira loja, localizada em Carpina (PE) e que recebeu aportes de R$ 30 milhões. O empreendimento integra um plano de R$ 500 milhões que prevê a implantação de 20 operações. Já a rede pernambucana de home centers Ferreira Costa está expandindo a atuação, com a entrada na Paraíba, por meio de um loja recém-inaugurada em João Pessoa. O empreendimento demandou R$ 100 milhões.

Os dois cases evidenciam a disposição do comércio de retomar o crescimento de suas operações, passada a fase mais aguda da crise e iniciado um ciclo de lenta recuperação das vendas, marcado por indicadores de desempenho modestos. Em Pernambuco, por exemplo, o comércio varejista registrou incremento de acanhados 0,8% no primeiro semestre de 2019 comparado ao mesmo período de 2018, de acordo com a Agência Condepe-Fidem. Mas, atentos a esses sinais, os players desengavetam seus planos de expansão, visando ganhar musculatura para quando o mercado voltar a crescer de forma mais vigorosa.

No caso do Novo Atacadão, o plano para Pernambuco será executado nos próximos quatro anos e inclui o lançamento de um cartão de crédito com bandeira própria. A estratégia, diante do salto do atacarejo no Grande Recife ao longo da década, é aproveitar as oportunidades nas cidades médias do interior. Há um grande potencial para o segmento nesses mercados que estão na mira da rede mineira. 

A ofensiva começa em Carpina (Zona da Mata Norte, a 54 km do Recife), onde a inauguração teve a presença do governador Paulo Câmara. A cidade tem 81 mil habitantes. “Vimos que Carpina tem uma densidade demográfica muito grande, com uma população concentrada. Outro fator que chamou nossa atenção foi o entorno. Há muitas cidades próximas e que geram um fluxo de pessoas bastante intenso. Esse fluxo, somado aos moradores da cidade, representa clientes em potencial que queremos atrair”, detalhou o CEO da rede, Daniel Costa, sobre a inclusão de Carpina no plano de negócios.

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, destaca que o foco da rede em cidades fora da Região Metropolitana da capital e com o perfil de Carpina vai ao encontro da estratégia do Governo de Pernambuco de interiorização dos investimentos privados. Ele ressalta ainda o impacto relevante de um investimento dessa ordem em municípios de médio porte. 

Inaugurações
Na sequência, o Novo Atacadão vai inaugurar mais três lojas, até abril de 2020, nas cidades de Vitória de Santo Antão, Arcoverde e Santa Cruz do Capibaribe. A próxima a entrar em funcionamento é a de Vitória, em dezembro.

Nessa etapa do plano, o investimento programado é de R$ 130 milhões e cada loja – com em média 12 mil metros quadrados de área construída e 500 vagas de estacionamento - está orçada na casa dos R$ 30 milhões. Juntas, as quatro primeiras operações vão gerar 1,5 mil empregos diretos e cerca de três mil indiretos. A de Carpina tem 300 empregados diretos. 

No caso das próximas unidades, o processo seletivo será iniciado em outubro, com inscrições exclusivamente pela internet e prioridade para as vagas de operador de caixa, estoquista, operador de empilhadeira, repositor de estoque, açougueiro, gerente e subgerente de loja.

Quanto ao mix, as lojas contarão inicialmente com oito mil itens, entre alimentos perecíveis, não perecíveis, artigos de higiene, limpeza, automotivo, bomboniere e bebidas, dentre outros produtos. 

Ferreira Costa
A Ferreira Costa, que entrou no mercado de Sergipe em 2015 e está presente na Bahia desde 2008, retomou o projeto de expansão, com a loja na capital paraibana, inaugurada semana passada. Localizado no bairro do Bessa, um dos mais nobres da cidade, o home center tem 37 mil metros quadrados, 347 vagas de estacionamento e um mix com 75 mil produtos para casa, construção e decoração. A estrutura inclui um mall com capacidade para 21 operações, entre lojas, quiosques e restaurantes.

Sobre a decisão de apostar na Paraíba, o diretor Guilherme Ferreira Costa afirma que a empresa viu uma grande oportunidade numa economia estadual que vem resistindo à crise. Particularmente sobre João Pessoa, ressalta que é um mercado onde a construção civil e o mercado imobiliário vem se recuperando desde o ano passado. De fato, o estoque de imóveis na Grande João Pessoa chegou a oito mil unidades no auge da crise, em 2016, recuou de para seis mil no final do ano passado e deve cair para quatro mil até o final de 2019.

“João Pessoa é uma das cidades mais promissoras do Nordeste. Aqui, a construção civil não parou como em outras cidades. Entendemos que era uma chance. Enxergamos demanda para o nosso negócio agora e principalmente no futuro, pois o nosso segmento tem uma dinâmica muito ligada aos setores de construção e imobiliário”, ressalta o empresário. “Além disso, como se trata de um Estado vizinho a Pernambuco, as condições para integração logísticas são muito boas e essa facilidade operacional se somou ao potencial de mercado. Foram dois fatores que pesaram em nossa escolha sobre onde investir”, explica. 

Fundada em 1884, a Ferreira Costa completou 135 anos em agosto passado. A rede é formada por seis lojas em Garanhuns – cidade onde a empresa nasceu – Recife, Salvador, Aracaju e agora João Pessoa. Essas operações, somadas, geram três mil empregos.

Fernando Ítalo

domingo, 10 de novembro de 2019

Por que 1 em cada 5 pessoas está guardando dinheiro debaixo do colchão nos EUA

MultiMidia Info

Temendo uma nova recessão da economia dos Estados Unidos, uma em cada cinco americanos está economizando dinheiro em casa, aponta um estudo da MetLife, a maior companhia de seguros de vida do país.

GETTY IMAGES
americanos se tornaram mais conservadores com seu dinheiro, aponta pesquisa

Outra conclusão da pesquisa é que os americanos se tornaram mais conservadores com seu dinheiro e preferem tomar precauções deste tipo em vez de investir.

Esse tipo de decisão tem seus riscos, uma vez que a inflação reduz o valor das cédulas — segundo indicadores oficiais, o país teve 2,4% de aumento de preços entre setembro de 2018 e setembro de 2019 — e que os poupadores deixam de contar com as garantias e eventuais vantagens de investimentos do sistema financeiro.

Ao mesmo tempo, as taxas de juros bancárias nos Estados Unidos são muito baixas. Alguns dos grandes bancos comerciais oferecem retorno anual de 0,03% para as contas de poupança. Se adicionados os custos operacionais, é possível que o cliente acabe perdendo dinheiro.

Outro sinal que reflete o clima entre os consumidores é que, de acordo com o estudo da MetLife, 41% dos americanos que têm investimentos afirmam que agora os revisam com mais frequência. Ou seja, existe uma sensação de insegurança, que pode ser momentânea, mas suas causas e consequências ainda não são claras.

O medo de uma possível recessão
Não há consenso entre economistas sobre a ameaça de uma nova recessão, normalmente definida como uma contração da economia por dois trimestres seguidos. Eles concordam que há sinais mistos e que o crescimento global está passando por um momento de desaceleração.

GETTY IMAGES
 crescimento global está passando por um momento de desaceleração, dizem economistas

Em outubro, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu sua previsão de crescimento da economia global para 3% neste ano, abaixo dos 3,2% de seu relatório de julho passado. Se confirmado, o índice será o menor desde a crise financeira de 2008 e bem menor do que os 3,8% registrados em 2018. O FMI também reviu para baixo sua previsão para o próximo ano, de 3,5% para 3,4%.

O FMI apontou como fatores as guerras comerciais, como a atualmente travada entre Estados Unidos e China, a incerteza do Brexit (processo de saída do Reino Unido da União Europeia) e outras crises geopolíticas e acrescentou que há uma necessidade "urgente" de líderes globais de trabalhar para reduzir as tensões. "As perspectivas globais continuam precárias. Com um crescimento de 3%, não há espaço para erros políticos", disse o órgão.

O clima predominante nos mercados internacionais é de uma ansiedade que "se aprofunda a cada dia", observou a revista The Economist em um editorial recente. Um sintoma deste medo é o preço do ouro, refúgio por excelência para os capitais e que atingiu recentemente seu pico nos últimos seis anos.

A economia dos EUA
Ainda assim, apesar dos sinais negativos, os Estados Unidos têm a menor taxa de desemprego em meio século e experimentam o período mais longo de expansão econômica em sua história.

Mas esse crescimento desacelerou no terceiro trimestre deste ano, ainda que tenha superado as expectativas de alguns economistas. Dados do Departamento de Comércio do governo americano indicam uma expansão do PIB de 1,9% nestes três meses, à frente dos 1,6% previstos.

Isso é, porém, bem abaixo dos 3,4% registrados no terceiro trimestre do ano passado e o menor crescimento em 2019. O aumento do Produto Interno Bruto no trimestre anterior, até o final de junho, foi de 2%.

Atualmente, de acordo com o site Bloomberg Economics, a chance de a economia americana entrar em recessão nos próximos 12 meses é de 27%.

GETTY IMAGES
Alguns dos grandes bancos americanos oferecem apenas 0,03% de retorno anual para contas de poupança

O cálculo desse índice é baseado em "uma gama de dados abrangendo condições econômicas, mercados financeiros e indicadores de estresse subjacente", para prever a probabilidade de desaceleração da economia. Incluem rendimentos, ganhos salariais reais, margens de lucro corporativas e pedidos semanais de benefícios de desemprego.

O risco atual é mais do que o dobro dos 11% de novembro de 2018, mas é bem inferior aos 49,5% de dezembro do ano passado. Desde então, o índice caiu drasticamente e manteve-se na casa dos 20% desde abril.

Para muitos economistas, a maior preocupação com as perspectivas dos Estados Unidos é o conflito comercial com a China e outros, escreve o repórter de economia da BBC Andrew Walker.

"Os números mais recente mostraram um crescimento nas exportações após um declínio acentuado nos três meses anteriores. Mas foi um crescimento bastante fraco", diz Walker.

"As importações, muitas das quais estão sujeitas a tarifas adicionais como parte desse conflito comercial, também foram mais altas, embora não acentuadamente, depois de dois trimestres em que não cresceram."

O banco ou o colchão?
Enquanto economistas e investidores discutem o futuro econômico global, os clientes dos bancos se perguntam o que fazer com seu dinheiro.

Como ninguém sabe ao certo o que acontecerá, muitos especialistas em finanças pessoais nos Estados Unidos continuam recomendando que as pessoas invistam, em vez de ter a renda imobilizada no banco, sem o retorno oferecido pelos juros.

Nesse sentido, as sugestões para poupadores são diversificar seus investimentos para reduzir riscos. "Ninguém conta para as pessoas que o dinheiro perde valor invisivelmente", diz o consultor e empresário Ramit Sethi.

"Os jovens não estão investindo no mercado de ações" e economizar dinheiro não é suficiente "porque, para aumentar seu capital a longo prazo, você deve usar outras táticas mais eficazes, como investir".

Mas a verdade é que a maioria dos cidadãos comuns, que podem economizar apenas parte de sua renda, veem Wall Street como algo muito distante do seu dia-a-dia. Ainda mais quando economizar dinheiro em casa parece ser uma boa opção.

Talvez os fantasmas da grande recessão de uma década atrás não tenham se dissipado e é por isso que cerca de 40% dos americanos dizem que começaram a economizar para o caso de tempos difíceis, segundo o estudo da MetLife.

Fonte: BBC

Itaú vai comprar a petrobras

MultiMidia Info

Repare quem está comprando a Liquigás, uma das subsidiárias mais importantes da Petrobras: Copagaz, Nacional Gás Butano e… Itaúsa.

O Itaúsa é a holding que controla o banco Itaú Unibanco.

Petrobras recebe oferta de R$ 3,7 bilhões por Liquigás Distribuidora

A Petrobras recebeu oferta de R$ 3,7 bilhões para a venda de sua participação acionária na Liquigás Distribuidora. O grupo formado pela Copagaz, Itaúsa e Nacional Gás Butano apresentou a melhor oferta final para aquisição da empresa. A venda faz parte do processo competitivo de desinvestimento da companhia.

A transação ainda será submetida à aprovação pelos órgãos internos da Petrobras e as etapas subsequentes do projeto serão divulgadas ao mercado oportunamente.

De acordo com nota da estatal, “a operação está alinhada à otimização do portfólio e a melhoria de aplicação do capital da companhia, visando à geração de valor para os nossos acionistas”.
Atuação

A Liquigás atua no mercado como distribuidora de gás liquefeito de petróleo (GLP). Além do gás para uso doméstico, a empresa fornece produtos e serviços para diversos setores da indústria, comércio e agricultura, pecuária, aviários, condomínios, hotéis, entre outros.

Por Douglas Corrêa – Repórter da Agência Brasil Rio de Janeiro
Edição: Maria Claudia
Fonte: O cafezinho

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Bancos começam a enviar dados ao Cadastro Positivo de birôs como SPC e Serasa

MultiMidia Info

No dia 11 de novembro, começa a nova fase de implementação do Cadastro Positivo. A partir da próxima semana, os cinco principais bancos do Brasil e cerca de cem instituições financeiras vão começar a compartilhar informações de pagamento dos consumidores com os gestores do Cadastro Positivo. O SPC Brasil, que já faz a gestão do banco de dados de inadimplentes há mais de 60 anos, também atuará como gestor das informações desse cadastro.

Bancos começam a enviar dados ao Cadastro Positivo de birôs como SPC e Serasa

Todos vão estar no cadastro positivo
Isso significa que, a partir da semana que vem, todos os brasileiros que possuem operações de crédito e contas de consumo passam a fazer parte automaticamente do banco de dados, sem precisar fazer inscrição. A expectativa do SPC é de que, com o compartilhamento de informações financeiras, o Cadastro Positivo passe a contar com 110 milhões de inscritos. Esse número ainda deve crescer, pois empresas de telefonia, companhias prestadoras de serviços como água, luz e gás e o setor varejista também devem compartilhar informações de pagamento. Isso fará com que o Cadastro Positivo agregue, nos próximos meses, a população não bancarizada.

O envio dos primeiros dados vai começar no dia 11 (segunda-feira) e a expectativa é de que, até o dia 19, todos os clientes das principais instituições financeiras brasileiras que possuem operações de crédito já estejam com o Cadastro Positivo aberto.

SPC fará avisos aos consumidores
Mesmo com a abertura do cadastro automática, nenhum consumidor será surpreendido. Assim que as instituições financeiras enviarem as informações cadastrais e de pagamento, cada consumidor receberá uma comunicação individual, seja por meio de e-mail, SMS ou correspondência física, no prazo de 30 dias, avisando sobre a inclusão de suas informações.

Cada consumidor vai receber informações sobre o Cadastro Positivo e vai ser direcionado para o site do SPC, onde será possível realizar cadastrar uma senha para acompanhar as informações do seu histórico de pagamentos, incluindo o score (pontuação da nota de crédito). Essas informações só poderão ser acessadas pelos consumidores após o recebimento da notificação individual.

As informações coletadas vão ser utilizadas exclusivamente para compor o histórico de crédito e o score do cadastrado. Para quem concede crédito, apenas o score estará visível. O histórico de hábitos de pagamentos do consumidor só será disponibilizado mediante sua prévia autorização. Tanto o score quanto o histórico poderão ser acessados apenas por instituições com as quais o cliente mantenha ou pretenda manter relação de crédito.


As informações só poderão ser consultadas pelo mercado 60 dias após o recebimento do histórico de pagamentos. Isso significa que os primeiros inscritos poderão ter seus dados consultados a partir de 12 de janeiro de 2020. A lei do Cadastro Positivo prevê um período de dois anos para o Banco Central colher as informações e apresentar o primeiro relatório dos impactos da nova medida na economia.

E a privacidade das informações?
Antes, o Cadastro Positivo só funcionaria a partir do interesse do consumidor. Agora, todos estarão incluídos e cada um decide se quer sair ou não, ou seja, fazer o opt-out desse cadastro. Isso, porém, pode parecer conflituoso com a Lei Geral de Proteção de Dados, que entra em vigor em agosto de 2020.

Como a lei não trata apenas de consentimento, mas de várias bases legais para coletar dados, o Cadastro Positivo não é ilegal. Mas é importante ressaltar que os consumidores, sendo os titulares dos dados, possuem os direitos de privacidade e livre acesso garantidos pelos dispositivos legais.

O artigo 5º do projeto também estabelece como direito dos cadastrados a correção de seus dados, o cancelamento do cadastro e o acesso às informações prestadas no cadastro, assim como aos critérios considerados para a análise de risco. O Cadastro Positivo também garante aos consumidores a informação prévia sobre a identidade do gestor, sobre o armazenamento e sobre o objetivo do tratamento dos dados pessoais, que deve estar em consonância ao cumprimento da finalidade para qual foram coletados.

Se você ainda não sabe muito sobre a Lei Geral de Proteção de Dados, busque mais informações. Enfim, porque ela amplia os seus direitos com relação aos seu histórico de compras, número de telefone, e-mail e mais informações para evitar os abusos por parte de empresas.

Fique atento aos seus dados
Agora que você já sabe que possivelmente estará no Cadastro Positivo, procure se informar no site do Serasa a partir do dia 11 e confira quais dados estão disponíveis a respeito da sua vida financeira.

Lembre-se de que você pode sair do cadastro e voltar a hora que quiser. Enfim, você é o titular dos dados e deve autorizar essa coleta de informações. A boa notícia é que, com mais dados a seu respeito, pode aumentar o seu score nesses bancos. Com isso, será possível melhorar suas chances de conseguir empréstimos, financiamentos e cartões de crédito.

Para que seu score aumente e mais dados sejam inseridos nesse banco, você precisa ter contas em seu nome e pagá-las em dia. Então se você está buscando conseguir mais crédito pessoal, esteja atento ao Cadastro Positivo!

sábado, 2 de novembro de 2019

Porque o Nubank pode fazer o cancelamento da sua NuConta?

MultiMidia Info

A conta digital do Nubank é a nova queridinha dos brasileiros. Com mais de 10 milhões de clientes, a NuConta traz vantagens exclusivas. Dentre elas podemos citar a praticidade de uma conta totalmente controlada pelo aplicativo, a ausência total de taxas de manutenção de conta, TEDs gratuitas para qualquer outro banco, o programas de benefícios com pontos Nubank Rewards e agora, e mais recentemente, conta para os microempreendedores individuais (MEI). Mas muitos clientes estão reclamando que suas contas estão simplesmente sendo encerradas, sem um motivo aparente. Aqui vamos ver quais os motivos que podem levar o Nubank a fazer o fazer o cancelamento da NuConta.

Porque o Nubank pode fazer o cancelamento da NuConta?
Desinteresse comercial
Primeiramente, é importante você saber que o Banco Central dá o direito às instituições financeiras. De acordo com o órgão, bancos tradicionais ou digitais como o NuBank, a encerrarem uma conta por desinteresse comercial. E esse encerramento pode ser feito a qualquer momento.

Ao fazer o fazer o cancelamento da NuConta, o Nubank envia um comunicado aos clientes dizendo que todos os produtos que o cliente tem junto ao Nubank, como a conta corrente de pessoa física e/ou jurídica e o cartão de crédito, estão sendo encerrados. O banco alega que os motivos são confidenciais e irreversíveis, ou seja, provavelmente o Nubank irá negar novas solicitações do cliente.

A empresa solicita ainda que o cliente envie os dados de uma outra conta corrente no nome do cliente para que sejam depositados os valores que estavam na NuConta em até cinco dias úteis.

“Olá, a fim de garantir a sua segurança e cumprir regulações obrigatórias, analisamos constantemente diversos fatores relacionados ao cadastro e utilização de nossos serviços por nossos clientes. Após uma análise mais detalhada, optamos pelo cancelamento de todos os seus produtos Nubank definitivamente. Esse processo é irreversível e os motivos são confidenciais. Caso você tenha dúvidas sobre nosso contrato, ele pode ser lido em: https://nubank.com.br/contrato.”

Mudança do perfil financeiro
Dos clientes que tiveram a sua conta cancelada, muitos alegam que tem movimentado a conta normalmente. Mas um dos motivos possíveis são movimentações consideradas suspeitas pelo Nubank, como valores recebidos incompatíveis com a renda do cliente e de origem não comprovada.

Se dinheiro de mais pode causar o cancelamento, dinheiro de menos também. Uma perda do poder aquisitivo do cliente pode tornar o mesmo desinteressante para o Nubank.

Falta de uso pode acabar no cancelamento da NuConta
Além disso, outro motivo para o Nubank vai fazer o cancelamento da NuConta é a utilização precária por parte do usuário. Ou seja, pouca movimentação, e de baixos valores. Muitas vezes, a pessoa faz a NuConta e praticamente não a utiliza por medo dos serviços digitais não serem seguros (o que não é verdade). E essa falta de movimentação faz o Nubank perder o interesse neste cliente. Mas de acordo com o contrato da NuConta, o prazo de cancelamento por falta de uso são de doze meses.

Nome sujo no SPC ou Serasa pode ocasionar o cancelamento da NuConta
Outro motivo que pode fazer o Nubank fazer o cancelamento da NuConta é a inclusão do cliente nos serviços de proteção ao crédito, como o SPC e Serasa. Isso porque a empresa entende que você é um mal pagador.

Inconsistências nos dados dos usuários
Este é outro motivo pelo qual o Nubank pode fazer o cancelamento da NuConta. Isso quer dizer que se os dados informados pelo cliente não estiverem corretos, e isso inclui o nome, dados de residência, de renda, trabalhistas, entre outros, a conta digital pode ser cancelada.

Falecimento, interdição judicial ou em casos de insolvência (“falência”) do titular
Quando o cliente vem a falecer, o Nubank vaifazer o cancelamento da NuConta, e os valores devolvidos aos herdeiros. O cancelamento também ocorrem por interdição judicial. Isso ocorre quando uma medida de amparo é criada pela legislação civil, devido a incapacidade civil do cliente, total ou parcial, para a prática dos atos da vida civil. Ainda há o cancelamento por falência, e esse caso se aplica especialmente às contas de microempreendedores individuais (MEI).

Outros motivos
Há ainda outros motivos que podem levar ao cancelamento da NuConta. Dentre eles estão o uso não autorizado de propriedade intelectual do Nubank, o desrespeito com as condições de uso da conta previstas no contrato e quando o cliente é grosseiro na relação com o Nubank e seus representantes ou desrespeita os mesmos.

Como prevenir o fazer o cancelamento da NuConta?
Se você gosta da sua conta digital, as melhores maneiras de mantê-la são movimentando (de acordo com a sua renda), sempre atualizar seus dados juntos à fintech, não entrar para o SPC ou Serasa, o que você faz pagando suas contas em dia, e é claro, sempre mantendo uma relação respeitosa com o Nubank.

Minha NuConta foi cancelada, e agora?
Se o Nubank cancelou a sua NuConta, calma, isso não é o fim do mundo, Embora a NuConta seja uma ótima conta digital, existem várias outras fintechs que oferecem benefícios tão bom quando o Nubank, e você pode conferir alguns destes outros bancos digitais nos links abaixo:


E se eu quiser cancelar minha NuConta?
No caso de você mesmo querer fazer o cancelamento da NuConta, saiba que é muito rápido e fácil, totalmente pela internet. Isso porque a NuConta não possui nenhum contrato de fidelidade. Se você está determinado à encerrar sua conta digital do Nubank, siga os passos abaixo.

1. Abra o aplicativo Nubank e selecione as opções Configurar a NuConta > Cancelar
NuConta.

2. O Nubank solicitará que você informe o motivo pelo qual está pedindo o cancelamento da NuConta. Escreva o motivo e depois insira a sua senha para confirmar a operação.

3. O pedido do cancelamento será enviado imediatamente, mas a conclusão pode demorar até 30 dias corridos, de acordo com as regras do Banco Central do Brasil, e pode demorar até 90 dias para que a NuConta desapareça do banco de dados do Banco Central.


Lembrando que uma vez que você pediu o cancelamento da NuConta, ele é irreversível, ou seja, após isso não será mais possível reativar a sua NuConta.

O cancelamento será totalmente gratuito,e você deve retirar os valores que estão na conta antes de encerrar.

Se você tem o cartão de crédito Nubank, o cancelamento da NuConta não irá cancelar o seu cartão de crédito.

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

Truque para aumentar o limite de qualquer cartão de crédito do Itaú

MultiMidia Info
Muita gente não sabe, mas a maioria dos cartões de crédito possuem um limite máximo determinado de acordo com a variante. Por exemplo, os cartões Marisa podem fazer upgrade da versão nacional para a internacional, e em alguns cartões você consegue um upgrade para o Credicard ZERO, por exemplo. O mais impressionante é que é muito simples essa dica, mas a maioria das pessoas simplesmente não sabe. Se você estiver precisando de limite no cartão de crédito Itaú, continue a leitura e descubra como fazer isso!

Truque para aumentar o limite de qualquer cartão de crédito do Itaú
Com apenas alguns passos, você consegue ampliar os benefícios do seu cartão ItauCard. Para isso, basta fazer login com o número do seu cartão aqui neste link e clique em ‘Solicitar Agora’. Se você tiver apenas o seu cartão de crédito do Itaú, insira o seu CPF ou número do cartão e clique em acessar. Se você tiver conta corrente no Itaú Unibanco, é melhor, mas se apenas tiver o seu cartão em mãos, isso já é mais do que suficiente.

No primeiro acesso, é necessário informar os seus dados, criar uma senha eletrônica de acesso e validar o seu itoken. Lembre-se que é necessário ter em mãos o número do seu cartão de crédito do Itaú e a sua senha de quatro dígitos.

Você precisa baixar o app ItauCard, ir no seu perfil e solicitar um iToken. Essa é a única parte ruim, pois é necessário ir em um caixa de autoatendimento do Itaú Unibanco para ativá-lo.

Depois disso, basta fazer o login e escolher qual o cartão que você quer dar um upgrade Itaú, selecionando a categoria que você deseja. Entretanto, cabe ressaltar, que dependendo da categoria, a sua anuidade poderá ser alterada automaticamente. Por fim, você simplesmente receberá o seu cartão, que deve ser desbloqueado para aproveitar os novos benefícios.

MultiMidia E-Commerce ©2019. All Rights Reserved.Blogger TemplatesCONTATOS ATRAVÉS DO NOSSO EMAIL: marketing@mundoms.com Templatelib